50 anos de Indianola Mississippi Seeds: o maior tesouro do rei

Quando o assunto é blues, ouvir um disco inteiro pode ser uma experiência complicada. A tendência é todas as músicas soarem igual ou com poucos contrastes significativos. No entanto, essa falta de contraste acontece pela forma como o blues é criado. Sua métrica fixa de 12 compassos faz com que os músicos de blues presem pela economia de recursos harmônicos e desenvolvam ideias rítmicas e melódicas. Isso acontece no disco Indianola Mississippi Seeds do único rei possível, B.B King.

Com pouco mais de um minuto e apenas dois versos Nobody Loves Me But My Mother abre o disco mostrado o verdadeiro significado do blues. A mensagem é certeira e dispensa qualquer comentário: ninguém me ama, exceto minha mãe/ e ela pode estar me enganando também / agora você vê porque eu ajo tão engraçado, baby /quando você faz as coisas que você faz. A segunda canção é a mais longa do disco. Com seis minutos de puro blues, You’re Still My Woman narra um assunto muito conhecido por nós podendo ocupar o lugar favorito dos aficionados pelos solos do rei. Aqui, entendemos o porquê do senhor Riley Ben receber a coroa. Poucas notas e muito feeling dão o tom da realeza.

Ask me no questions leva o disco para outro caminho, outro clima. Bem mais “pra frente” que as duas primeiras e com caminhos harmônicos diferentes dos até aqui explorados, a terceira música realmente dá um up na toada do disco. Com notas muito longas capazes de diminuir a marcha dos mais ansiosos, Until I’m Dead And Cold se destaca pela construção do arranjo. No início, piano e baixo fazem um pano de fundo para a majestade brilhar ainda mais. À medida que a música acontece, outros instrumentos como o sax barítono e o sax tenor abrem os caminhos do salão para a dança do rei e da rainha Lucille, agraciando os súditos com um solo incrível.

Uma música totalmente instrumental leva o disco para outro lugar cujo o nome não teria sido melhor: King’s Special. Como o próprio nome indica, esse é o momento do rei e com certeza é especial. Ouça com muita atenção o quê a realeza tem a nos dizer. Ain’t Gonna Worry My Life Anymore pode soar um pouco estranha. Há uma jam session no começo onde os músicos se divertem à beça. Dá pra ouvir as gargalhadas de B.B King e seu diálogo com os músicos,mas de repente a música para e outra completamente diferente começa. No meio da faixa. Em relação à letra, podemos dizer que essa também é muito econômica. Há apenas quatro versos, mas a essa altura nem nos damos conta da letra, ou melhor, da falta dela.

Na sétima faixa do disco, Chains and things estamos diante de uma encruzilhada sonora. O encontro entre dois mundos aparentemente distantes cria um ambiente inesperado. A orquestra erudita e a guitarra popular se fundem numa mistura pra lá de criativa. Apenas a escuta atenta dessa canção pode revelar o que há de mais precioso nesses mundos. Go Undergroud retoma o clima dançante do álbum dando ao ouvinte um estimulo a mais pra terminar o disco. Um solo muito interessante conduz boa parte da música e dá ao amante do blues tudo que ele mais gosta: solo de guitarra.

Na última faixa do disco Hummingbird, o clima de nostalgia toma conta do álbum. As cordas aparecem mais uma vez, mas de uma maneira diferente. Agora, a orquestra pulsa com notas mais curtas e por isso o arranjo aparece mais marcado. Ao final da música ouve-se a derradeira frase don’t fly away encerrando assim um dos maiores trabalho do rei.

Hummingbird – Indianola Mississippi Seeds – faixa final

Comemorando os 50 anos do seu lançamento vale lembrar que o disco apareceu várias vezes nas paradas de sucesso daquele ano. Indianola Mississippi Seeds foi o número 26 na lista dos álbuns Pop, o número 7 na lista dos álbuns de Jazz e o oitavo disco na Black Albums, uma lista da Billboard que procura contemplar discos de Jazz, Hip-Hop, R&B, etc. Várias canções atingiram sucesso como Chains and Things”, “Ask Me No Questions” do próprio King e “Hummingbird” de Leon Russell. O próprio King vê o álbum como um dos seus maiores trabalhos. Quando questionado sobre o seu melhor trabalho, King disse: “Eu sei que os críticos sempre mencionam Live & Well ou Live at the Regal, mas acho que Indianola Mississippi Seeds foi o melhor álbum que fiz artisticamente.” Em todo o trabalho, destaco a orquestra de cordas e a maneira econômica como lidaram com esse recurso. Realmente, B.B King deixou um legado digno de rei, cabendo a nós, meros súditos, as maiores condolências e o máximo respeito.

Artista: B.B King Álbum: Indianola Mississippi Seeds Ano: 1970

Produção: Bill Szymczyk 
Arranjos de cordas e sopros: Jimmie Haskell  
Engenheiros: Bill Szymczyk e Gary Kellgren 
Engenheiros assistentes: Llyllianne Douma, Mike D. Stone e John Henning Masterização: Bob Macleod Gravação: The Record Plant, Los Angeles, California.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: